Slater se agiganta na hora certa, leva título na França e já é vice no ranking

  • por

Após cair para a repescagem na quinta-feira, americano deixa rastro de notas altas até chegar ao título, seu terceiro na temporada; Parko lidera a disputa

Fonte: GLOBOESPORTE.COM

 

Quando o sujeito de 40 anos caiu para a repescagem na quinta-feira, ninguém em sã consciência achou que era o fim da história. Para variar, ele se levantou. E voltou com fúria, mexido como o mar de Hossegor, derrubando um rival após o outro e deixando pelo caminho um rastro de notas altíssimas. Assim é Kelly Slater, com 11 títulos nas costas e faminto pelo 12º. Ao bater Joel Parkinson na semi e Dane Reynolds na decisão, o americano faturou nesta sexta-feira a sétima etapa do Circuito Mundial, na França. Foi o terceiro triunfo dele no ano, o segundo seguido. O mundo do surfe piscou e, pronto, ele já é o vice-líder do ranking, atrás apenas de Parko, que assumiu o primeiro posto.

 

Líder antes da disputa francesa, o australiano Mick Fanning caiu duas posições, com 43 mil pontos. Parkinson lidera com 46.200, e Slater vem logo atrás com 45.450 e apenas três etapas pela frente. É o primeiro título do americano na França em duas décadas.

 

A jornada furiosa de Slater após a repescagem começou na quinta-feira, quando emplacou uma nota 10 e um 9,93 para despachar o australiano Kieren Perrow. Na sexta, a ação começou com uma semifinal que tinha jeito de final. O duelo com Parko foi equilibrado, como era de se esperar. O aussie conseguiu um 4,10 e fechou a bateria com um 6,83. Slater segurou a vitória também na última onda, com um 6,60 que se somou ao 5,67. Placar final: 12,27 a 10,93.

 

Na outra semi, o equilíbrio foi ainda maior. Dane Reynolds e John John Florence tiveram dificuldades no início da bateria e acumularam um punhado de notas baixas. Nas duas últimas ondas de cada um, veio a disputa de verdade. Florence conseguiu um 7,93 e um 7,67. Mas não foi o bastante para superar o 9,00 e o 6.70 de Reynolds. Por apenas um décimo, o americano avançou à final: 15,70 a 15,60.

 

No duelo ianque com Slater, Reynolds caiu no mar empolgado e conseguiu um 6,50 logo de cara. Com um 7,93, o eneacampeão mostrou que não estava disposto a abrir mão do título àquela altura. Os dois surfistas tentaram várias ondas, e Reynolds ainda arrancou um 7,50. Mas Kelly estava endiabrado. Com menos de dez minutos de bateria, ele encarou o tubo com a maestria de sempre e foi buscar um 9,33. Deixou para o rival a missão de se recuperar com o mar em condições ruins. Não deu. Em apenas um dia, o maior surfista da história mostrou que o caminho entre a repescagem e o título pode ser muito curto. Basta ser Kelly Slater.

 

FINAL:
Kelly Slater (EUA) 17,26 x 14,00 Dane Reynolds (EUA)

 

SEMIFINAIS:
1: Dane Reynolds (EUA) 15,70 x 15,60 John John Florence (HAW)
2: Kelly Slater (EUA) 12,27 x 10,93 Joel Parkinson (AUS)