Notícias

Previsão de ondas – o que é e como ler

A previsão de ondas é o resultado de estudos feitos com bóias em alto mar. Procuramos as previsões para saber as características das ondas, principalmente as seguintes:

• Tamanho

• Direção

• Período (tempo entre ondas)

Devemos também levar em conta o vento, que interfere bastante no surfe, com as seguintes características:

• Velocidade

• Direção

E por fim, outra característica que interfere na formação das ondas é a maré.

As características das ondas

O tamanho das ondas é uma medida que, na prática, deve ser multiplicada por dois. Isso acontece porque a amplitude (tamanho) da onda é medida com referência ao eixo horizontal. Em outras palavras, é medida a altura da onda pela parte de trás. Na frente, além de toda a altura da onda, também há um “buraco” causado pelo recuo da água. Assim, 0,5 m de onda na previsão vai representar uma parede de 1 m.

A direção da ondulação é importante para saber em que picos a ondulação vai conseguir atingir a praia, e quão alinhadas as ondas vão estar.

Aqui no estado de São Paulo recebemos ondulações de sul e leste, e qualquer direção entre essas duas (já que não podemos receber ondulações oceânicas vindo da terra).

A mesma praia pode apresentar um mar alinhado em uma ponta e ondas mexidas em outra, devido à curvatura da praia.

Na riviera de São Lourenço, as ondulações de sul e leste agem de forma diferente no módulo 1 e no módulo 8. Segue uma descrição simplificada de cada módulo:

Módulo 1:

No módulo 1, a região mais próxima do píer fica protegida da ondulação sul por causa do morro que separa a riviera do Indaiá. Ali, as ondas ficam menores e é mais fácil passar para o outside. As ondulações de leste batem na ilha e se dividem em dois, gerando ondas por interferência de onda também. Assim, dependendo das frequências, as ondas ficam boas ou mexidas.

A mistura das duas ondulações pode ficar excelente ou deixar o mar mexido também.

Módulo 8:

No módulo 8 a ondulação de Sul bate no morro que divide São Lourenço e a Riviera, o que também gera interferência de ondas entre as ondas que estão chegando e as ondas refletidas pelo morro. Isso significa que haverão dias em que as ondas ficarão alinhadas e haverão dias que ficarão mexidos com essa ondulação. A ondulação de leste, por sua vez costuma chegar sem interferências.

O período

O período é o tempo entre ondas. Se o período for baixo (abaixo de 6 segundos) as ondas vão interferir umas nas outras, prejudicando o formato das mesmas.

Períodos altos, em contrapartida (acima de 8 segundos) permitem que as ondas apresentem uma formação mais “perfeita”, ou seja, próxima do ideal.

O vento

Quando levamos em conta o vento, precisamos lembrar que a baixas velocidades a influência que terá será muito baixa, enquanto que a velocidades maiores a influência pode ser decisiva para o surfe ser bom.

O vento maral é aquele que se desloca do mar para a terra. Ele achata as ondas, o que faz com que elas quebrem mais rápido.

O vento lateral afeta a formação das ondas também, e costuma não ser bom para o surfe.

O vento terral é aquele que passa da terra para o mar, e é excelente para o surfe. Ele “levanta” as ondas e confere uma formação melhor a elas.

Conclusão

Cada surfista tem a sua preferência na hora de surfar. Se preferir ondas mais cavadas, o ideal é ir para uma praia de tombo, ou seja, com a inclinação elevada da bancada. Para ondas mais gordas, a bancada deve ter uma queda suave. Os tamanhos das ondas também são de gosto de cada um. Com o tempo irá perceber o seu gosto pessoal e escolherá os melhores dias para surfar baseado no tamanho, direção e período das ondas, e levando em conta a velocidade e direção do vento também!