Preparação Física

  • por

Atualmente a prática de uma atividade física regular tornou-se questão de extrema importância quando pensamos em qualidade de vida e bem estar. No caso de atletas e os iniciantes da prática do surf a realização de uma preparação física adequada pode significar a vitória em momentos decisivos de uma competição ou simplesmente ficar de pé em cima da prancha. Estar realizando uma atividade complementar ao surf poder estar em constante movimento corporal, realizando exercícios e avaliações físicas periódicas controladas por profissionais especializados farão de você uma pessoa mais disposta e feliz. Um trabalho específico de preparação física deve ser orientado por um profissional de Educação Física ou Esporte e é de fundamental importância para o desenvolvimento pessoal.
O intuito da preparação física é permitir que o surfista alcance um bom grau de aptidão nos principais requisitos motores fortalecendo seu condicionamento muscular e cardiovascular. Os principais requisitos motores envolvidos na preparação física são: resistência, força, velocidade, flexibilidade e capacidades coordenativas. Esses requisitos serão treinados de acordo com as características e objetivos de cada modalidade esportiva, podendo um ser mais desenvolvido que o outro. Para isso uma série de exercícios, intensidades e avaliações são planificadas para que o resultado apareça em cada sessão.
Antes da realização de qualquer atividade física, porém, é importante preparar o aparelho locomotor para os exercícios. Para isso, é recomendável um trabalho de aquecimento e alongamento antes de cada sessão de surf ou outra modalidade. Uma movimentação geral e específica dos grupos musculares e das articulações envolvidos na atividade faz que o organismo promova adaptações variadas, algumas como aumento da freqüência cardíaca, produção de calor em virtude da contração muscular e lubrificação articular, diminuindo os riscos de lesões ou acidentes.

PREPARAÇÃO FÍSICA 1 PREPARAÇÃO FÍSICA 2 PREPARAÇÃO FÍSICA 3

Para o surf isso pode ser conseguido através de uma corrida ou natação em ritmo moderado, exercícios de movimentação articular como rotação de braços, pescoço, quadril ou mesmo por brincadeiras que promovam a movimentação do aluno. Em seguida, deve-se realizar um alongamento consciente e suave de cada grupo muscular, de aproximadamente 20 segundos em cada posição.
Para realizarmos qualquer movimento ou mesmo surfar nosso corpo necessita de energia. Essa energia será conseguida através da alimentação e das principais reservas energéticas mantidas no organismo (glicogênio e gordura) para que possamos continuar a atividade. Quando ficamos fadigados ou cansados demais significa que nossos estoques e vias para produção de energia estão comprometidos para continuarem funcionando normalmente. Nosso organismo dispõe de duas vias principais para obtenção de energia, que são determinadas de acordo com a duração e intensidade do esforço.
Em atividades de alta intensidade e curta duração, que desenvolvem potência e arranque muscular (como séries curtas de musculação ou corrida de 100 metros), utilizamos principalmente a via glicolítica, que produz energia a partir da quebra da glicose proveniente da ingestão de alimentos ou do glicogênio muscular localizado. É uma via de produção de rápidas e fortes contrações muscular, porém com final rápido uma vez que à medida que a glicose vai acabando o músculo vai entrando em acidose, acumulando o chamado ácido láctico.
Por outro lado, em atividade de intensidade moderada ou baixa temos maior duração no tempo em exercício (corridas longas ou ciclismo). O oxigênio consumido será determinante no funcionamento da via oxidativa, de forma que a fonte energética utilizada é principalmente a gordura.
A máquina humana é inteligente e sempre estará a disposição para adaptações fisiológicas a curto, médio e longo prazo. Para obter melhor proveito disso atleta ou aluno juntamente com seu técnico devem estar conscientes de onde, quando, porque e como vão alcançar determinada meta esportiva.

Veja também: