Hang Loose Pro Contest ao VIVO

  • por

Site – www.waves.com.br
Veja ao VIVO – http://www.hangloose.com.br/procontest2012/default.asp?site_Acao=mostraPagina&paginaId=9
A chegada de um potente swell coincidiu com a data de abertura do campeonato e ondas tubulares de até 2,5 metros e uma forte correnteza no pico formaram o cenário para as 16 baterias realizadas da primeira fase.

 

Boa escolha de ondas e posicionamento correto foram fatores essenciais para garantir uma vaga no segundo round. Mas os atletas também tiveram que contar com a sorte, já que as condições na Cacimba mudavam em poucos minutos.

 

Sempre à vontade nos tubos, o catarinense Ricardo dos Santos anotou o maior somatório da competição até o momento, 17.33. Com uma bela atuação nas esquerdas da Cacimba, ele venceu com folga a bateria 100% brasileira contra Willian Cardoso, Halley Batista e Alan Donato.

 

Depois de pular na frente com nota 8.00 em um longo tubo de frontside, Ricardinho botou para dentro em outra esquerda, avaliada em 9.33. O surfista da Guarda do Embaú ainda descartou nota 6.33 e fez a alegria do público que, em pequeno número, foi presenteado por um dia de muito sol e calor em Fernando de Noronha.

 

“As condições estão difíceis, com muita correnteza, mas sempre consigo achar boas ondas aqui. Também é importante estar no lugar certo e tive essa sorte. Noronha é um lugar incrível, estou muito feliz de estar aqui”, comemora Ricardo.

 

O catarinense Willian Cardoso somou 8.40 em suas melhores ondas e também classificou-se para o segundo round. Os pernambucanos Halley Batista (5.27) e Alan Donato (4.07) acabaram eliminados da disputa.

 

Tropa de elite A primeira prova de status Prime da temporada reúne vários candidatos a uma das 34 vagas no World Tour do próximo ano. Mas cinco atletas que já fazem parte da elite profissional também participam do evento em Noronha, os brasileiros Gabriel Medina, Raoni Monteiro e Miguel Pupo e os irmãos norte-americanos CJ e Damien Hobgood.

 

Outro atleta do WT, o catarinense Alejo Muniz é o grande desfalque da etapa. Campeão da última edição do evento, ele não defende o título deste ano por causa de uma lesão no tornozelo, a mesma que o tirou da última Tríplice Coroa Havaiana.

 

Do time que representa o Brasil na elite mundial, apenas Raoni ainda não estreou. Ele está escalado na quarta bateria desta quarta-feira contra os brasileiros Flavio Nakagima e Patrick Tamberg, local de Fernando de Noronha, além do surfista das Ilhas Reunião, Adrien Toyon.

 

Já Gabriel Medina e Miguel Pupo carimbaram o passaporte para o segundo round. Medina mesclou tubos e aéreos de frontside na décima segunda bateria, para avançar atrás do carioca Jerônimo Vargas. Miguel também avançou em segundo, na oitava disputa do dia e contra o inspirado pernambucano Bruno Rodrigues.

 

Atleta de Maracaípe, Rodrigues descolou a maior nota da primeira fase com um tubaço na Cacimba do Padre. O surfista encaixou no trilho e saiu seco da baforada, com 9.83 no somatório. O atleta saiu da água comemorando muito.

 

“Foi o maior tubo que já peguei. Tinha surfado um parecido no Hawaii em 2010, mas não consegui completá-lo. Desta vez deu certo. O Ricardinho já tinha dado uma aula antes e não acreditei quando ouvi o locutor dizer que era a maior nota do dia”, festeja Rodrigues.

 

Mas o peruano Gabriel Villarán quase estraga a festa do brasileiro na décima sexta bateria, a última do dia. Em ótimas condições no final de tarde na Cacimba, ele anotou 9.20 em sua melhor onda e derrotou o paraibano Jano Belo (2o), o baiano Marco Fernandez (3o) e o paulista Jessé Mendes (4o).

 

Ainda restam oito baterias para o término da primeira fase. Além de Raoni Monteiro, Patrick Tamberg e Flavio Nakagima, faltam estrear os brasileiros Messias Félix, Yan Guimarães, Marcio Farney, Luel Felipe, Thiago Camarão, Jean da Silva, Renato Galvão, Robson Santos, Simão Romão e Paulo Moura.

 

A vigésima sexta edição do Hang Loose Pro Contest distribui 6.500 pontos no ranking unificado da ASP, além de US$ 250 mil de premiação total.